Pesquisa coleta sangue e informações de crianças do RN para estudo sobre obesidade e desnutrição

Uma pesquisa do Ministério da Saúde está coletando dados e amostras sanguíneas de crianças de 0 a 5 anos em Natal e Parnamirim, na Região Metropolitana, para fomentar um estudo sobre desnutrição e obesidade infantis. O trabalho está sendo desenvolvido em todo o país e tem coordenação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, trata-se do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani). A ideia é que as informações sirvam para a elaboração de polícias públicas para essa parcela da população.

De acordo com José Erimar, supervisor do Enani no Rio Grande do Norte, a coleta de amostragens no estado potiguar começou no início do mês de dezembro. Na mesma época, também foram iniciadas as coletas em Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Sergipe.

O trabalho acontece porta a porta, em localidades previamente selecionadas pelo próprio Ministério da Saúde. Além de José Erimar, outros cinco pesquisadores participam das atividades. O supervisor explica que, no primeiro contato, ocorrem visitas aos domicílios escolhidos para a coleta de informações sobre as crianças.

“Verificamos se as casas têm as pessoas com o perfil indicado para a pesquisa, crianças de 0 a 5 anos. Depois disso, fazemos uma entrevista, para saber informações sobre esses meninos e meninas, pesamos e medimos sua altura. As famílias não são obrigadas a participar e podem nos informar isso no ato da abordagem”, detalha José Erimar.

Depois desta etapa, um laboratório é acionado para realizar a coleta de sangue das crianças. Esses exames vão precisar como estão as taxas e a presença de vitaminas no organismo delas. Tudo isso servirá de base para a pesquisa de combate à obesidade e desnutrição. “Não somos nós quem fazemos as coletas. São laboratórios contratados especificamente para este fim”, esclarece o supervisor.

Ao todo, as duas cidades selecionadas no Rio Grande do Norte têm 240 municípios a serem visitados. De dezembro até aqui, a equipe de José Erimar fez o trabalho em 90.

Fonte: G1 RN

31 de janeiro de 2020 - 8:43h

Governo do RN estuda reativar posto fiscal na divisa com a Paraíba ainda em 2020

Desativado há mais de sete anos, o Posto Fiscal de Caraú, localizado às margens da BR-101 no município de Canguaretama, próximo à divisa com a Paraíba, deverá ser reinstalado pelo Governo do Rio Grande do Norte até o fim deste ano. A medida é avaliada pela Tributação como uma das estratégias para aumentar a arrecadação de impostos no Estado nos próximos anos.

Em novembro de 2019, o Governo do Estado contratou uma empresa especializada para elaborar o projeto de reestruturação do posto fiscal. Segundo o Diário Oficial, o serviço está sendo prestado pela Start Pesquisa e Consultoria Técnica LTDA, ao custo de R$ 186,4 mil. Os recursos são provenientes do programa Governo Cidadão.

Além do de Caraú, a empresa também vai elaborar um projeto para a reforma de outro posto fiscal: o do município de Passa e Fica, que está localizado na região Agreste Potiguar e que está perto também da divisa com a Paraíba, mas através da rodovia estadual RN-093. Este posto também foi desativado sete anos atrás.

Para o secretário estadual de Tributação, Carlos Eduardo Xavier, a desativação dos postos fiscais no Rio Grande do Norte, como o de Caraú, influenciou o aumento da sonegação de impostos no Estado na última década.

“O Estado abriu mão de um mecanismo de cobrança. O contribuinte que chegasse ao posto fiscal com alguma inadimplência só poderia sair com o imposto pago”, lembrou o secretário, em entrevista na última segunda-feira (27) ao programa Manhã Agora, da rádio Agora FM (97,9).

Até 2011, o Rio Grande do Norte tinha postos fiscais montados nas principais rodovias que ligam o Estado à Paraíba e ao Ceará, estamos limítrofes. As instalações funcionavam como uma barreira, pela qual caminhões tinham obrigatoriamente de passar.

Nos postos fiscais, mercadorias sem nota ou compras efetuadas por empresas inadimplentes com o Fisco poderiam ficar retidas na entrada do Estado até que as obrigações fossem regularizadas.

Na época, a justificativa para a reativação dos postos foi o avanço da tecnologia. A proposta era que, junto com a implantação da nota fiscal eletrônica, o Estado criasse outros mecanismos de cobrança e intensificasse a fiscalização móvel, por meio de postos volantes.

Carlos Eduardo Xavier explica, porém, que só a nota fiscal eletrônica foi implementada. “Não conseguimos criar um mecanismo de cobrança tão eficiente quanto a retenção de mercadorias, tampouco a gente conseguiu reforçar a fiscalização. Quando se faz um projeto em cima de um tripé, e só se constrói um, esse projeto cai”, compara o atual secretário de Tributação.

Com a nota fiscal eletrônica, a fiscalização sobre compras devidamente registradas foi estruturada. Por outro lado, houve queda no combate à sonegação nos casos de compras sem emissão da nota. “Quando o Estado abriu mão disso (posto fiscal), o empresário deixou o ICMS para o fim da fila de pagamentos dele. A dívida ativa foi crescendo”, assinala Carlos Eduardo.

Outro fator que contribuiu para a desativação dos equipamentos foi a reclamação de transportadores quanto à burocracia que envolvia a conferência de cargas.

Não há previsão de quanto a arrecadação subiria caso todos os postos fiscais que existiam no Estado há dez anos. Além do de Caraú, o Governo do Estado também avalia abrir até o próximo ano outro posto fiscal, desta vez na fronteira com o Ceará, em parceria com o governo.

Fonte: Agora RN

29 de janeiro de 2020 - 7:39h

Maternidade Januário Cicco alega superlotação e suspende internações em Natal

A Maternidade Escola Januário Cicco, localizada no bairro Petrópolis, na Zona Leste de Natal, suspendeu a internação de novos pacientes por tempo indeterminado. O motivo é a superlotação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal. A suspensão foi comunicada nesta terça-feira (28) pela unidade.

Em nota, a maternidade alegou que atualmente a UTI tem 30% de pacientes a mais do que a capacidade permite. São 23 leitos ocupados e sete bebês prematuros que estão nas salas de parto e no centro cirúrgico obstétrico à espera de transferência.

A unidade explica que “não mede esforços para atender o máximo de mulheres e bebês, nunca, entretanto, em detrimento da segurança do paciente”. Dessa forma, recomenda que as grávidas priorizem outras maternidades do estado neste período – já que a Januário Cicco recebe também mulheres do interior do RN.

Segundo a maternidade, não há prazo estipulado para voltar a receber novos pacientes. Em nota, a unidade afirma que “tão logo a situação seja normalizada, voltaremos a informar”.

A Maternidade Januário Cicco, que é ligada à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é uma das mais tradicionais unidades obstétricas do estado, além de uma das únicas públicas em Natal. Além dela, as unidades obstétricas públicas são a Maternidade Doutor Araken Irerê Pinto, no bairro do Tirol, a Maternidade Leide Morais, em Nossa Senhora da Apresentação, e o Hospital Santa Catarina, no bairro Potengi.

Fonte: G1 RN

29 de janeiro de 2020 - 7:36h

Dispensa de alvará beneficiará 10,3 milhões de empresas de baixo risco

Padaria Santa Tereza, a mais antiga de São Paulo, localizada na praça Doutor João Mendes.

A dispensa total de licenças e alvarás de funcionamento para 289 tipos de atividades econômicas de baixo risco beneficiará 10,3 milhões de empresas no país, disse hoje (28) o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel. Isso equivale a 58% do total de 17,73 milhões de empresas em funcionamento no país.

O secretário apresentou a estimativa durante o lançamento da medida para representantes do setor privado e de entidades de micro e pequenas empresas. Segundo Uebel, o fim da exigência impulsionará o ambiente de negócios no país e permitirá ao governo concentrar a fiscalização nas atividades de médio e alto risco.

Prevista na Lei de Liberdade Econômica, a medida está em vigor desde 16 de dezembro. Entre os tipos de empreendimentos beneficiados estão bares, borracharias e padarias, fábricas de alimentos artesanais, de calçados, acessórios e vestuário, atacados e varejos.

Com as novas regras, toda empresa de baixo risco aberta no país poderá exercer a atividade imediatamente após o recebimento do Cadastro Nacional Pessoa Jurídica (CNPJ). No entanto, caso a legislação do estado e do município seja diferente da lista de segmentos de baixo risco do Ministério da Economia, prevalecem as normas locais. As prefeituras e os governos estaduais, no entanto, precisam encaminhar as regras ao governo federal para que as exigências locais tenham validade.

A classificação de risco – baixo, médio ou alto – contempla aspectos como prevenção contra incêndio e pânico, segurança sanitária e ambiental. Todas as atividades consideradas de baixo risco e que dispensam o pagamento de licenças e alvarás estão listadas na Resolução nº 51 do Comitê para Gestão da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios.

O sistema desenvolvido verifica a listagem das atividades econômicas inseridas pelo empreendedor que são dispensadas de licença e alvará, nos termos da resolução ou das normas estaduais e municipais encaminhadas ao Ministério da Economia. A dispensa é informada no cartão do CNPJ, depois de o sistema, com o conhecimento do usuário, classificar a atividade como de baixo risco.

Na regra antiga, as empresas registravam e recebiam o cartão do CNPJ e ficavam sujeitas a análises posteriores dos municípios e dos órgãos de licenciamento, com a cobrança de taxas. Somente após as análises, o empreendimento era classificado e somente então poderia exercer a atividade, caso fosse considerado de baixo risco. O modelo, na prática, atrasava a abertura de negócios.

Fonte: Agência Brasil

29 de janeiro de 2020 - 7:34h

Sisu: MEC libera acesso ao resultado

resultado do Sisu, educação. MEC

O Ministério da Educação (MEC) liberou há pouco o resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que estava com divulgação suspensa por ordem judicial . As informações foram liberadas depois de decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), na tarde de hoje (28).

Neste semestre, são 237.128 vagas em 128 instituições de ensino superior públicas de todo o país. Segundo a pasta, mais de 3,4 milhões de inscrições foram realizadas este ano. Quem não for contemplado agora, poderá participar da lista de espera da segunda chamada, entre 29 de janeiro e 4 de fevereiro.

O ministério informou também que estarão abertas hoje à noite as inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni). No cronograma inicial, o término para concorrer às bolsas seria na próxima sexta-feira (31). O MEC decidiu prorrogar o prazo por mais um dia, sábado,1º de fevereiro, para que os candidatos tenham tempo suficiente de se inscreverem.

Por meio de nota, a pasta acrescentou que o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) permanece com o cronograma atual, com inscrições de 5 a 12 de fevereiro.

Fonte; Agência Brasil

29 de janeiro de 2020 - 7:32h

Brasil tem três casos suspeitos de coronavírus, diz ministro

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva para atualizar o boletim sobre o novo coronavírus da China

O Ministério da Saúde confirmou no fim da tarde de hoje (28) que o Brasil tem três casos suspeitos de coronavírus. Além de uma estudante de 22 anos, que está internada em Belo Horizonte, mais duas pessoas têm suspeitas de portar o vírus. Uma delas está em Porto Alegre (RS) e outra em Curitiba (PR).

Segundo o ministério, esses pacientes se enquadram na atual definição de caso suspeito. Eles apresentaram febre e pelo menos um sinal ou sintoma respiratório; além de terem viajado para a China, país onde a contaminação teve início, nos últimos 14 dias. O ministério não ofereceu mais detalhes sobre os casos.

Dados do ministério apresentados na manhã desta terça-feira mostraram que, no período de 3 a 27 de janeiro, foram analisados 7.063 suspeitas de pessoas com coronavírus no Brasil. Desses, 127 exigiram a verificação mais detalhada e apenas o caso da estudante em Belo Horizonte havia sido enquadrado como suspeita.

Diante da epidemia que tem se espalhado rapidamente pela Ásia e atingindo também países da Europa e da América do Norte, o ministério recomenda que os brasileiros evitem viagens à China. O ministro Luiz Henrique Mandetta pediu para que as viagens apenas sejam realizadas se forem necessárias.

“Nós desaconselhamos e não proibimos as viagens para a China. Não se sabe, ainda, qual é a característica desse vírus que é novo; sabemos que ele tem alta letalidade. Não é recomendável que a pessoa se exponha a uma situação dessas e depois retorne ao Brasil e exponha mais pessoas. Recomendamos que, não sendo necessário, que não se faça viagens, até que o quadro todo esteja bem definido”, disse durante entrevista à imprensa.

Fonte: Agência Brasil

29 de janeiro de 2020 - 7:30h

Coronavírus: Brasil sobe nível de alerta para ‘perigo iminente’

A suspeita de contaminação por coronavírus em uma jovem de 22 anos, em Minas Gerais, levou o Ministério da Saúde a subir o nível de alerta do país para “perigo iminente” nesta terça-feira.

O Centro de Operações de Emergência (COE), acionado pelo ministério desde o início da crise, classifica os riscos em três níveis, em linha com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

O primeiro é o nível de alerta, porque havia casos acontecendo em outros países, mas a transmissão estava concentrada na China. O nível dois (“perigo iminente”) se inicia a partir da identificação de um caso suspeito que se enquadre na definição estabelecida pelo protocolo da OMS. Esse é o caso da paciente em Minas Gerais, que viajou à Wuhan, epicentro da crise na China.

A partir da confirmação de um caso da doença, o país entra no terceiro nível, e o governo declara emergência em saúde pública de importância nacional.

Fonte: Blog do BG

28 de janeiro de 2020 - 17:28h

Estudantes potiguares estão preocupados com a suspensão do Sisu e ProUni

Com a liminar de suspensão da divulgação do resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), estudantes potiguares estão aflitos por não conseguirem acessar o site para saber se foram ou não selecionados para o curso que pretendiam.

O cronograma do Sisu programava esta terça-feira (28) para divulgação do resultado. Agora, a data segue sem previsão. A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para anular a decisão, nesta segunda-feira (27), mas até o momento não teve nenhum parecer.

Wagner Santos, de 19 anos, teve problema na nota de matemática, solicitou a correção ao Ministério da Educação (MEC) e não teve retorno. “Ela foi abaixo da média e não pude me inscrever em nenhum curso de universidade que exigia nota mínima. Estou muito prejudicado com essa situação”, comentou.

Aguardando uma decisão final da Justiça, o estudante Anderson Mendes, de 19 anos, diz que está apreensivo com o resultado, pois alegou depender desta informação para decidir seu futuro. “Eu não tenho muito o que fazer nesta situação, pois só o ministro é quem tem alçada para resolver algo. O jeito é esperar. Mas confesso que estou preocupado com tudo isso”, revelou.

Segundo Anderson, que quer cursar Física, os demais alunos da Escola Estadual Professor Josino Macedo, onde estuda, também estão com o mesmo problema.

Procurada, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte disse que, até o presente momento, não recebeu nenhuma notificação do MEC sobre a suspensão do resultado do Sisu. “Estamos com a informação do calendário anteriormente divulgado. Dessa forma, aguardamos comunicado do Ministério sobre a situação. Nosso cronograma de cadastramento permanece mantido, com início nesta quinta-feira (30)”, detalhou a pró-reitora de Graduação da UFRN, Maria das Vitórias de Sá.

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) também não receberam informações do MEC sobre o assunto e, por enquanto, seguem com o calendário de matrículas normalmente.

A incerteza está presente nos projetos de Joyce Varela, que fez o Enem pela terceira vez. Para ela, não saber do resultado a deixa descrente de seus sonhos. “Depositamos meses de nossas vidas para os estudos com o objetivo de viver melhor, realizar projetos pessoais e profissionais. Ser tratada sem compromisso, não me faz acreditar de que eu possa tentar isso”, desabafa.

Fonte: Agora RN

28 de janeiro de 2020 - 17:25h

Morre Flavio Goldemberg, diretor do ‘The Voice Kids’, aos 58 anos

O diretor geral do The Voice Kids, Flavio Goldemberg, morreu na madrugada desta terça-feira, (28) aos 58 anos, em decorrência de um enfarte. Ainda não há informações sobre o velório.

Além da competição infantil, ele estava à frente de Popstar, cuja terceira temporada terminou em 2019. A gravação da próxima fase de batalhas do The Voice Kids foi adiada.

Flavio iniciou sua carreira na emissora em 1981, onde atuou como produtor por 17 anos. Conduziu produções como Armação Ilimitada, produziu os especiais musicais Amigos e shows de Paul McCartney, Eric Clapton, Julio Iglesias, Rock in Rio e Leandro & Leonardo.

Em janeiro de 2010, ele retornou à Globo, e fez parte de programasd como Big Brother Brasil, Hipertensão, Malhação (2010), o quadro Vídeo Game do Vídeo Show, The Voice Brasil, Superstar, Popstar e The Voice Kids.

“Hoje perdemos um parceiro, um amigo de vida. O Flavio fazia tudo com o coração e paixão. Amava a profissão e levava a vida sorrindo. Essa felicidade transbordava para além da tela da TV. A gente sorria e se emocionava. Ele vai fazer muita falta e deixar uma legião de amigos. Vai em paz Flavio, agora tire um tempo para surfar nas ondas do paraíso”, lamentou em nota o diretor JB Oliveira, o Boninho.

Fonte: Agora RN

28 de janeiro de 2020 - 17:22h

Em dois anos, 43 pessoas são resgatadas de trabalho escravo no RN

Condições degradantes de trabalho, sem local para dormir, alimentar-se e pausas para descanso, além da imposição de dívidas que limitam a liberdade, foram situações encontradas em operações que resultaram no resgate de 43 trabalhadores de condições análogas às de escravos entre 2018 e 2019 no Rio Grande do Norte, segundo o Ministério Público do Trabalho. De acordo com o órgão, a soma supera todos os casos registrados desde 1995.

Os números são um alerta, no Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, lembrado em 28 de janeiro, porque superam o total de casos registrados entre 1995 e 2017. Nesse período de 22 anos, 36 trabalhadores tinham sido resgatados em situação análoga à escravidão no estado.

As operações realizadas em 2018 e 2019 flagraram “condições de vida e trabalho que aviltam a dignidade do ser humano e caracterizam situação degradante”, de acordo com um dos relatórios dos procuradores.

As forças-tarefas se concentraram em cerâmicas e na extração da palha da carnaúba, atividades encontradas na região do Vale do Assú, área de competência da Procuradoria do Trabalho no Município (PTM) de Mossoró.

Nenhum trabalhador encontrado nas frentes da carnaúba, por exemplo, havia sido registrado. Os arregimentadores também não forneciam quaisquer equipamentos de proteção individual, apesar dos riscos que envolvem a atividade, e não havia qualquer controle de jornada de trabalho.

Os gastos com alimentação eram descontados dos trabalhadores e, ao final de cada quinzena, cada um recebia entre R$ 300 e R$ 350, de acordo com a produção da equipe.

Em uma das frentes, foram encontrados trabalhadores obrigados a dormir no interior do baú de caminhão velho, que também servia como local de moagem.

De acordo com a procuradoria, os trabalhadores dessas frentes são, na maior parte das vezes, contratados em outras cidades e transportados irregularmente em grupos para as propriedades onde atuam, ficando alojados nesses locais ou nas proximidades. Os “ranchos” são os locais que eles identificam com sombra de árvores para armar redes para descanso e pernoite, e para preparar e fazer as refeições. Nos espaços encontrados pelas operações, não havia nenhum tipo de estrutura física, seja de alvenaria, madeira ou outro material, para servir de alojamento.

Fonte: G1 RN

28 de janeiro de 2020 - 17:20h