25% dos solteiros não estão interessados em monogamia, aponta estudo

Foto: iStock

Um artigo recente da revista norte-americana Cosmopolitan reforçou a tese de que o formato de relações monogâmicas está perdendo espaço, sobretudo no contexto pós-pandemia. Segundo o levantamento, um em cada quatro solteiros não embarcaria em um relacionamento monogâmico.

Se você é do time do amor romântico, calma. O mesmo estudo apontou que, quando se trata de namoro, 71% dos solteiros querem relacionamentos duradouros.

O amor romântico

O que para alguns continua funcionando bem, para outros, já não há mais espaço. Enquanto uns desejam encontrar a metade da laranja e suam frio só de imaginar o par com outra pessoa, existem aqueles que já incluem na vida uma forma livre de se relacionar. Quem fala abertamente sobre esse assunto no Brasil é a psicanalista, escritora e sexóloga Regina Navarro Lins.

Na visão da especialista, o amor romântico está saindo de cena e dando espaço a novas formas de se relacionar, incluindo trisais, o poliamor e o relacionamento aberto.

O amor não está morto

Quando se fala em outras possibilidades de amar, não estamos cogitando matar o amor convencional. Talvez ele apenas não esteja mais no centro do palco.

O levantamento da Cosmopolitan apontou alguns dados interessantes sobre relacionamentos. Confira:

71% dos solteiros dizem que estão mais interessados ​​em relacionamentos de longo prazo agora do que antes da pandemia;
22% “não têm certeza” sobre a monogamia;
18% já se apaixonaram por mais de uma pessoa ao mesmo tempo;
43% dos solteiros da Geração Z sofrem de ansiedade social relacionada ao namoro. Caso em questão: as menções à palavra “estranho” nas biografias do Tinder aumentaram 8% desde o final de 2020.
Quando o assunto é sexo

Já quando saímos da zona dos sentimentos e vamos para as sensação, mais precisamente na cama, as estatísticas levantadas pelo estudo revelam que as pessoas estão transando mais, se masturbando mais e tendo mais prazer. Veja:

30% das pessoas estão fazendo mais sexo do que antes da pandemia;
36% estão se masturbando com mais frequência;
25% estão usando brinquedos sexuais com mais frequência;
52% dos solteiros estão menos interessados ​​em sexo casual;
36% dizem que sexo no primeiro encontro é um fator decisivo.
Metrópoles

9 de agosto de 2022 - 8:28h