De virada, Flamengo vence Al Hilal e garante vaga na final do Mundial de Clubes

O Flamengo está na final do Mundial de Clubes. Ainda que sem o brilho que caracterizou os seus melhores momentos nas conquistas da Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro, derrotou o Al Hilal por 3 a 1, de virada, com seus gols sendo marcados na etapa final.

Melhor do jogo, Bruno Henrique confiava em virada do Flamengo no segundo tempo. Leia aqui.

O adversário do Flamengo na final de sábado será conhecido nesta quarta-feira, a partir das 14h30 (horário de Brasília), no duelo entre Liverpool e Monterrey. E a expectativa, claro, é para um novo confronto com o time inglês, como ocorreu em 1981, na decisão do Mundial Interclubes, com vitória do time carioca por 3 a 0.

Numa partida de domínio do primeiro tempo pelo Al Hilal, quando acabou sendo vazado, o destaque do Flamengo foi Bruno Henrique, autor do gol da virada e com participação direta nos outros dois da equipe, que teve baixa produção ofensiva, mas de eficiência ao conseguir aproveitar as oportunidades que teve.

O JOGO – O início da partida em Doha foi ótimo para o Al Hilal. O time saudita trocava passes e impunha velocidade, com o Flamengo enfrentando dificuldades na marcação, que parecia atrasada, como se apenas corresse atrás do adversário. Até teve o primeiro lance de perigo, mas em uma jogada de bola parada após cobrança de escanteio, em que Gerson finalizou para fora.

Mas a resposta do Al Hilal foi imediata. Primeiro com uma chance clara perdida por Gomis, na sequência de rebote dado por Diego Alves após jogada individual de Al-Dawsari. E depois com o primeiro gol da partida. Aos 17, Giovinco acionou Al-Buryak na direita. Ele cruzou rasteiro para Al-Dawsari. No meio da área, livre, chutou, com a bola desviando em Marí e colocando o Al Hilal em vantagem.

O gol mudou o cenário da partida. O time asiático recuou, mas parecia confortável na partida diante de um Flamengo nervoso, algo exposto pelo lance do cartão amarelo de Bruno Henrique, por pisar em um adversário. A equipe carioca, por sua vez, até foi ao ataque, mas atuava em ritmo lento e errava passes, facilitando a marcação do adversário, que mal teve a sua meta ameaçada.

Disperso no primeiro tempo, o Flamengo enfim mostrou o seu melhor aos três minutos, em uma triangulação envolvendo os seus principais atacantes. Gabriel recebeu no meio e acionou Bruno Henrique em profundidade e na grande área. Ele rolou para Arrascaeta, que só empurrou a bola para o gol.

Foi a amostra de um Flamengo mais intenso, algo marcante nos melhores momentos do time na temporada. Mas embora até tenha conseguido exibir isso em alguma momentos da etapa final, com o time encontrando mais espaços do que no primeiro tempo, faltava brilho e velocidade.

O jogo, então, ficou travado, com o Al Hilal até se arriscando no ataque. Mas o Flamengo, que acionou Diego no lugar de Gerson, assim como havia feito na decisão da Libertadores, em ajudando o time a ser mais vertical, acabou conseguindo a virada aos 32 minutos. Aproveitando os espaços dados pela defesa adversária, Diego acionou Rafinha, que cruzou para Bruno Henrique cabecear às redes: 2 a 1.

Com espaços, o time voltou a marcar aos 35. Dessa vez, Diego recebeu na entrada da área e tocou para Bruno Henrique na esquerda. Ele invadiu a área e fez o cruzamento, com Al-Bulayhi mandando contra as próprias redes. No fim, o peruano Carrillo ainda foi expulso por entrada dura em Arrascaeta.

Fonte: Agora RN

17 de dezembro de 2019 - 19:36h

RN conquista 71 medalhas nas Paralimpíadas Escolares em São Paulo

A delegação que representou o Rio Grande do Norte nas Paralimpíadas Escolares em São Paulo conquistou 71 medalhas em quatro modalidades: foram 29 de ouro, 23 de prata e 19 de bronze. Destaque para os atletas de atletismo e natação, que juntos somaram 68 pódios.

A bocha paralímpica ganhou pelo segundo ano consecutivo o título por equipe, enquanto o tênis de mesa foi prata por equipe e bronze no individual. Ao todo, 37 alunos-atletas participaram da 13ª edição da competição, organizada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Este é o maior evento do planeta para atletas com deficiência em idade escolar, e reuniu por três dias cerca de 1.200 competidores em 12 modalidades nas dependências do Centro de Treinamento Paralímpico, na cidade de São Paulo.

“Conquistamos medalhas em todas as modalidades disputadas, mostrando a qualidade do trabalho realizado pelas instituições, mas o desafio para os próximos anos é trabalhar para aumentar o número de modalidades e o número de praticantes no Rio Grande do Norte”, o coordenador do paradesporto potiguar, Tibério Maribondo Maribondo.

Fonte: OP9

2 de dezembro de 2019 - 10:40h

Potiguar Gabriel Veron ganha a Bola de Ouro como melhor jogador do Mundial Sub-17

Além da conquista do tetracampeonato, o Brasil também comemorou três prêmios individuais no Mundial Sub-17, incluindo o principal deles. O meia potiguar Gabriel Veron, do Palmeiras, foi eleito o melhor jogador da competição e ficou com a Bola de Ouro.

Os outros dois brasileiros premiados foram o o goleiro Matheus Donelli, que levou a Luva de Ouro como o melhor da posição, e o atacante Kaio Jorge, dono da Chuteira de Bronze como o terceiro artilheiro do torneio.

O holandês Sontje Hansen ganhou a Chuteira de Ouro como principal artilheiro do Mundial Sub-17, com seis gols. O francês Nathanael Mbuku levou a Chuteira de Prata, com cinco gols marcados, assim como Kaio Jorge.

O francês Adil Aouchiche ganhou a Bola de Prata, como segundo melhor jogador do torneio, e o mexicano Eugenio Pizzuto levou a Bola de Bronze.

Fonte: Blog do BG

18 de novembro de 2019 - 8:31h