IBGE prorrogará a coleta em campo do Censo Demográfico até início de dezembro

Foto: Tânia Rego/ Agência Brasil

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) decidiu prorrogar, até o início de dezembro, o prazo de coleta de informações para o Censo 2022. A previsão inicial era encerrar os trabalhos até 31 de outubro deste ano.

O instituto manteve, no entanto, a previsão de divulgar os dados do censo até o fim de dezembro.

Segundo o diretor de Pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo, apenas cerca de metade da população estimada do Brasil foi recenseada de 1º de agosto até agora, por isso decidiu-se prorrogar o prazo dos trabalhos.

“A grande dificuldade que se encontrou foi de recrutamento de recenseadores, portanto o IBGE está tomando decisões importantes para aumentar a possibilidade de recrutamento e concluir, com isso, a operação do Censo Demográfico 2022”, disse Azeredo, em vídeo divulgado ontem (4) no site do IBGE.

No vídeo, o diretor de Pesquisas também pediu ajuda aos prefeitos do país para garantir o sucesso das operações do censo.

Agência Brasil

4 de outubro de 2022 - 11:40h

Censo 2022 está 34,2% concluído no RN, diz IBGE

 Foto: Magnus Nascimento

O Censo 2022 no Rio Grande do Norte está 34,2% concluído após quase dois meses do início da pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado coloca o Estado na 5ª posição nacional entre as unidades federativas mais avançadas no censo. O segundo balanço do trabalho está previsto para ser divulgado na primeira semana de outubro. De acordo com a primeira parcial, divulgada no fim de agosto, 1.390.160 pessoas já foram recenseadas em 474.279 domicílios. Em todo o País, 95 milhões de pessoas já responderam as perguntas do Censo.

No RN, 46 cidades já atingiram a marca de 50% ou mais de recenseamento. Os municípios mais adiantados são São João do Sabugi (90,9%), Serra Caiada (88%), Bento Fernandes (84,6%) e Jardim do Seridó (76%). Ao todo, o Estado tem 5.972 setores censitários, que são pequenas divisões do território, que facilitam a execução das pesquisas estatísticas. Cada recenseador trabalha em um setor por vez. Apesar do avanço na coleta dos dados, os recenseadores enfrentam dificuldades nas três maiores cidades potiguares: Natal, Mossoró e Parnamirim.

O coordenador de operações do IBGE, Rogério Campelo, diz que os trabalhadores têm encontrado resistência para acessar condomínios e prédios, principalmente os de alto padrão, onde vivem famílias das classes alta e media alta. “Acho que um dos objetivos das pessoas que vão morar nesses condomínios é justamente você diminuir essa acessibilidade externa, ter uma sensação maior de segurança, mas às vezes os síndicos e administradores têm um exagero nessa função. Em alguns casos, ele atrapalha nossa coleta não comunicando o morador, isolando-o e tirando dele esse direito. É comum nas maiores cidades do Estado”, comenta.

O percentual de recusa em responder a pesquisa está em 1,5% no Rio Grande do Norte. Esse número é menor que a média da região Nordeste (1,8%) e do Brasil (2,3%). Para convencer a população da importância de responder o Censo 2022, os recenseadores estão orientados a retornar três vezes aos domicílios resistentes ou vazios na hora da visita. Caso o morador não seja convencido a dar a entrevista, o supervisor fará uma visita. Em último caso, o morador resistente receberá uma carta sobre a obrigatoriedade da prestação de informações estatísticas conforme a Lei Federal 5.534/68.

O recenseador Jeff Pereira, que atua em bairros da zona Leste de Natal, diz que em alguns condomínios sequer consegue passar pelo síndico. “Nesses locais há uma problemática. A gente encontra uma negação por parte de porteiros, administradores e de outras pessoas que trabalham no condomínio, isso dificulta muito o nosso trabalho porque tem que enviar ofício solicitando para informar como isso vai ocorrer, só que para enviar esses ofícios a gente precisa de alguns dados. Às vezes o síndico não nos responde e a gente entende como uma recusa”, afirma.

Apesar das barreiras encontradas nas grandes cidades, o coordenador de Operações do instituto, Rogério Campelo, avalia que a pesquisa caminha bem e rápida, sem surpresas. Ele pontua que é no interior que o Censo avança mais rapidamente. “A receptividade é outra, as pessoas são mais abertas, então a conversa flui melhor, as pessoas entendem mais. Geralmente o recenseador é da própria cidade e isso ajuda também. Às vezes o vizinho aborda perguntando quando vai ser a vez dele, tem sido bem legal”, comenta.

Campelo conta que o Censo se concentra agora em acessar setores rurais, com baixa densidade de domicílio. Em outras palavras, significa que os recenseadores irão andar mais e encontrar menos casas. “A coleta está caminhando bem, hoje temos 34% dos setores coletados, mas quando a gente abre o dado em relação aos domicílios, a nossa expectativa já passou de 70% dos domicílios. Estamos bem avançados e com tudo correndo dentro do esperado”, diz o servidor do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
O cronograma do Censo 2022 está mantido. Na primeira semana de outubro, o IBGE deve soltar outro balanço e até o dia 31 do próximo mês, toda a coleta de dados deve ser finalizada no Estado. Os primeiros resultados da pesquisa demográfica, com informações sobre tamanho e perfil básico da população, devem ser divulgados até dezembro deste ano. Outras análises mais detalhadas deverão ser divulgadas ao longo de 2023 e 2024.

Tribuna do Norte

27 de setembro de 2022 - 7:48h

IBGE lança Censo 2022 nesta segunda (01/08)

Foto: Tomaz Silva/Agencia Brasil

“O Censo brasileiro é uma das maiores operações censitárias do mundo, no sentido de visita domiciliar, de você bater de porta em porta e colocar 180 mil recenseadores na rua. O Censo não é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É uma instituição que pertence ao Brasil. O IBGE coordena o Censo, mas é o Censo do Brasil.” A afirmação é do diretor de Pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo, que, em entrevista à Agência Brasil, destacou a importância do 13º Censo Demográfico, que será iniciado amanhã (1º), com lançamento oficial no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, acompanhado por agências da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para Azeredo, responder o Censo é um ato de cidadania. “É como votar, como tirar um documento. É fundamental que todo cidadão procure ser recenseado e receba o recenseador do IBGE.”

O Censo é uma operação importante para o país porque permite conhecer os detalhes de como a população vive, quantas são as pessoas e onde elas estão. “É importante para a sociedade, para o governo, para as empresas públicas e privadas, para os gestores públicos e da iniciativa privada. Se você vai abrir uma empresa em determinado município, precisa conhecer detalhes daquele município”.

Agora RN

1 de agosto de 2022 - 14:51h

População do Brasil passa de 211,7 milhões de habitantes, estima IBGE

Monobloco arrasta multidão pelo centro do Rio.

O Diário Oficial da União publica, nesta quinta-feira (27), portaria da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulga as estimativas da população para estados e municípios, com data de 1º de julho de 2020.

As estimativas mostram que o Brasil já tem uma população de 211.755.692 de pessoas. Em 2019, a população estimada era de 210.147.125 pessoas.

Os estados mais populosos são: São Paulo (46.289.333), Minas Gerais (21.292.666) e Rio de Janeiro (17.366.189).

O Distrito Federal já conta com uma população de 3.055.149 habitantes. Roraima é o estado com a menor estimativa populacional (631.181).

Fonte: Agência Brasil

27 de agosto de 2020 - 7:23h

Com 807 mortes em 24h, Brasil tem mais de 23 mil vítimas da Covid-19; casos são 374.898

O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira (25) que o país chegou a 374.898 casos confirmados e 23.473 mortes pelo novo coronavírus. No domingo (24), eram 22.666 óbitos.

Em 24 horas, foram anunciadas mais 807 mortes, de acordo com a pasta. Foram 11.687 casos incluídos no balanço em um dia. A taxa de letalidade está em 6,3%.

Fonte: Agora RN

26 de maio de 2020 - 7:53h

Brasil tem 489 mortos e quase 11,3 mil casos confirmados

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 6h26 desta segunda-feira (6), 11.298 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 489 mortes pela Covid-19.Apenas dois estados ainda não registraram mortes: Acre e Tocantins.

Na noite de domingo (5), o Pará registrou a segunda morte pela doença, uma mulher de 50 anos que morava em Belém. Não há informações se ela tinha doença preexistente.

Um boletim epidemiológico feito pelo Ministério da Saúde na sexta (3) diz que Distrito Federal, São Paulo, Ceará, Rio de Janeiro e Amazonas podem estar na transição para uma fase de aceleração descontrolada da pandemia.

O último balanço do Ministério da Saúde, divulgado na tarde de domingo (5), aponta 11.130 casos confirmados e 486 mortes.

Fonte: Agora RN

6 de abril de 2020 - 10:48h

Brasil tem 46 mortes e 2.201 casos confirmados de coronavírus

O Ministério da Saúde informou na tarde desta terça-feira (24) o mais recente balanço dos casos de coronavírus, vírus responsável pela doença Covid-19. O número de mortes chegou a 46; são 2.201 casos confirmados no Brasil.

O estado de São Paulo tem 810 casos e 40 mortes, já o Rio de Janeiro tem 305 casos e 6 mortes. Segundo o Ministério da Saúde, a atual taxa de letalidade da doença no país é de 2,1%.

Fonte: Agora RN

24 de março de 2020 - 19:23h

Brasil será primeiro país a testar em escala teste rápido

O secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, informou que o Brasil vai ser o primeiro país a testar em escala o teste rápido que a Fiocruz está preparando, com base em insumos adquiridos da China.

A precisão do teste é de 86% e serve como triagem.

Fonte: O Antagonista

24 de março de 2020 - 19:20h

PIB fecha 2019 com crescimento de 1,1% em relação a 2018

O produto interno bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, fechou o ano passado com crescimento de 1,1% frente a 2018. O resultado foi alcançado após a variação do quarto trimestre de 2019, que teve alta de 0,5% na comparação com o período anterior.

Na comparação com o mesmo trimestre de 2018 houve elevação de 1,7%, o décimo segundo resultado positivo consecutivo após 11 trimestres de queda.

Os números foram divulgados hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em valores correntes, o PIB atingiu R$ 7,3 trilhões no ano. Do total, R$ 6,2 trilhões se referem ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 1,0 bilhão aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios.

Segundo o órgão, a agropecuária e serviços cresceram 1,3% e a indústria 0,5%.

O PIB per capita variou 0,3% em termos reais e atingiu R$ 34.533 em 2019.

Fonte: Agência Brasil

4 de março de 2020 - 12:05h

Testes em brasileiros trazidos da China dão negativos para coronavírus

Os testes feitos pelo Laboratório Central do Estado de Goiás (Lacen), nos 58 envolvidos na Operação Regresso, deram negativos para o coronavírus (Covid-19), informou o Ministério da Saúde, nessa terça-feira (11)

“Os 34 repatriados e os 24 profissionais, divididos entre tripulação, Ministério da Saúde e comunicação, foram submetidos a exames, mesmo sem sintomas e sem infecção. A ação faz parte do protocolo definido entre os ministérios da Saúde e Defesa”.

Atualização dos casos
O ministério informou ainda que o Brasil permanece sem registro do vírus, que já atinge 24 países além da China. Até o momento, oito casos suspeitos estão sendo monitorados, conforme informações repassadas pelas secretarias estaduais de Saúde de todo o país, até ontem.

Os casos suspeitos estão em Minas Gerais (1), Rio de Janeiro (2), São Paulo (3), Paraná (1) e Rio Grande do Sul (1).

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, disse que as análises dos casos suspeitos seguem os protocolos determinados.

“O prazo obedece ao cronograma que temos trabalhado. Os pacientes ficam durante três dias, em média, fazendo os primeiros testes. Depois a gente tem mais três a quatro dias para fazer a conclusão do processo. A previsão da investigação completa é de uma semana, mas pode existir a necessidade de repetir testes e exames”.

Fonte: Agência Brasil

12 de fevereiro de 2020 - 9:02h