População jovem reduz e número de idosos cresce no RN em 10 anos

Foto: Jornal Nacional/ Reprodução

Em 10 anos, a população do Rio Grande do Norte cresceu, mas passou a ter menos jovens e mais idosos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre 2012 e 2021, toda a população das faixas etárias entre 0 e 29 anos ficou menor. Esse público representava 1,773 milhão de pessoas em 2012 e chegou 1,599 milhão no ano passado – uma queda de 9,8%.

Por outro lado, a população potiguar cresceu em todas as faixas etárias acima dos 30 anos.

Somente o público idoso, acima dos 60 anos passou de 352 mil pessoas em 2012 para 494 mil no ano passado – um aumento superior a 40%.

O grupo que teve maior queda foi o de crianças entre 0 e 4 anos. Em uma década, o número de pessoas nessa faixa caiu 18,2% – passou de 269 mil para 220 mil.

Já o grupo que mais cresceu foi a população entre 55 e 59 anos, que aumentou 70,7%, passando de 113 mil para 193 mil.

Na década, o número de moradores do estado cresceu 7,8% – um aumento de 258 mil pessoas – segundo dados do IBGE. O estado saltou de 3.302.720 habitantes em 2012 para 3.560.903 em 2021.=

O número de novos moradores do estado é próximo ao de habitantes de uma cidade como Parnamirim – o terceiro maior município potiguar, que tem 272 mil cidadãos.

Para o professor Ricardo Ojima, do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o envelhecimento da população potiguar segue uma tendência mundial.

De acordo com ele, isso acontece devido a mudanças em padrões comportamentais da sociedade ao longo das últimas décadas, o que refletiu na diminuição do número de filhos nas famílias.

“Desde os anos 1980 e 1990, a região Nordeste e o Rio Grande do Norte já vêm mostrando redução do número de nascimentos. Por outro lado, nas outras faixas da população, a mortalidade vem caindo. Então mais gente permanece na população e menos gente está entrando na base da pirâmide etária. Hoje você tem aquela pirâmide etária com a base mais estreita e a maior parte da população concentrada na faixa de idade ativa, adulta. Num segundo momento, com o processo de envelhecimento e a manutenção dessa redução de nascimentos, a pirâmide praticamente vai inverter de posição, com número de idosos cada vez mais expressivo”, explica o professor.

Ojima aponta que na década de 1960, a taxa média de fecundidade era de 6 filhos por mulher. Atualmente, a mesma taxa é menor que dois. Para que a população se mantivesse pelo menos com a proporção atual, seria necessário que cada uma gerasse duas crianças ao longo da vida.

“A mudança é reflexo de fatores como um maior grau de escolaridade das mulheres, maior inclusão delas no mercado de trabalho, a urbanização e também um maior custo de vida. São fatores que levaram as famílias a terem menos filhos”, considerou.

Ainda de acordo com Ojima, a expectativa dos cientistas que estudam os movimentos populacionais, a tendência é que a partir de 2046 o Rio Grande do Norte passe a viver um decrescimento, ou seja, a redução da sua população.

O especialista alerta que o maior envelhecimento da população deverá demandar mudanças em pontos importantes como previdência social e a saúde pública.

“Além de mudanças no sistema previdenciário, um maior envelhecimento da população também vai demandar mais investimentos em saúde. A população mais idosa precisa de tratamentos mais intensivos e caros. Portanto, o teto de gasto do poder público, que prevê o congelamento dos recursos para a saúde nos próximos anos, precisará ser revisto. Mesmo com decrescimento da população, o gasto com saúde vai aumentar”, ressalta.

g1

17 de agosto de 2022 - 10:35h