RN terá mais municípios com tropas federais nas eleições

Mais municípios do Rio Grande do Norte receberão tropas federais durante as eleições deste ano do que há quatro anos, nas eleições municipais de 2016. As tropas serão enviadas para 113 municípios, 48,6% a mais que as 76 da última disputa. O motivo para o aumento é o agravamento do acirramento político e o déficit de policiais militares, segundo a justificativa oficial do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) ao solicitar o envio ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que aprovou o pedido no final de outubro.

Dois a cada três municípios potiguares terão a presença das tropas federais, composta pelas Forças Armadas. Nacionalmente, 345 municípios terão a presença dos militares no primeiro turno das eleições. O papel dos militares é no apoio logístico em locais de difícil acesso, com o transporte de urnas e pessoal a serviço da Justiça Eleitoral, quanto com o emprego das tropas na Garantia da Votação e Apuração para garantir o direito ao voto, segundo o Ministério da Defesa. O Rio Grande do Norte tem um terço do total das cidades.

O acirramento político durante o período eleitoral é comum, mas neste ano, na avaliação de políticos tradicionais ouvidos pela reportagem, houve um aumento de ameaças a candidatos, além de tentativas de homicídios e homicídios consumados.

Outras cidades também registram atos violentos, além das duas citadas. Em Pedro Velho, dois irmãos foram assassinados no dia 5 de outubro durante um ato político. Nesta sexta-feira (6), o Ministério Público do Estado (MPRN) denunciou duas pessoas — um policial militar da Paraíba e um compositor — como autores do crime. Segundo a denúncia, os dois seriam responsáveis pela segurança privada do evento de um determinado candidato e dispararam tiros em Gilson Marques Teixeira, político da oposição que estaria próximo ao local, após cercarem ele. A cidade não vai receber as tropas federais.

11 de novembro de 2020 - 9:02h