Apuração da votação no RN deverá ser finalizada às 21h, prevê TRE

A Legislação eleitoral impõe restrições nesta semana. Em Natal, a preparação das urnas já foi encerrada e, nesta terça-feira (10), deve ser concluída as do interior. Trata-se da inserção de todas as informações, como nomes, partidos, coligações, números, fotos dos candidatos e também informações dos eleitores de cada sessão. O TRE mobilizou cerca de 200 servidores nas Zonas Eleitorais, além de 260 auxiliares de Eleição que foram contratados e treinados para o serviço.

No sábado, as urnas chegam aos locais de votação e as equipes de cada zona passarão pelos locais para realizar a instalação dos equipamentos”, explicou o secretário de Tecnologia da Informação e Eleições do TRE/RN, Marcos Maia.

Para agilizar a apuração, a transmissão dos resultados é descentralizada com mais de 240 pontos de transmissão em todo o Estado. Dessa forma, a partir das 17h, se não tiver mais eleitor na fila da seção, já poderá ser emitido o Boletim de Urna (BU), cujo arquivo é levado para o centro de transmissão para ser disponibilizado no sistema de divulgação da Justiça Eleitoral. Neste ano, a votação começará as 7h e, geralmente, após as 17h, ainda há filas em muitos locais de votação, fazendo com que o envio da apuração demore mais que em outros locais.

Como é uma eleição em cada município, trabalhamos com a faixa das 21h para termos, se não 100%, um percentual muito próximo da conclusão, inclusive, se haverá segundo turno, no caso de Natal. Possivelmente, nesse horário também já estarão definidos os vereadores eleitos. Para depois das 21h pode ficar uma quantidade mínima de seções eleitorais onde, porventura, tenham ocorrido algum problema que leve ao atraso”, explicou Marcos Maia. De acordo com a legislação, o segundo turno somente pode ser realizado nas cidades com mais de 200 mil eleitores.

Em caso de problemas na urna eletrônica, a Justiça Eleitoral prevê a adoção de procedimentos como a substituição ou até mesmo a realização de votação manual (com a utilização de cédulas e urna convencional) ou votação mista (parte eletrônica e parte manual).A agilidade na apuração se deve ao sistema de votação pela urna eletrônica, adotada no Brasil desde 1996. A Justiça Eleitoral sempre destaca que o equipamento indica para o mesário somente a informação de que o eleitor já votou. Pelo embaralhamento interno e outros mecanismos de segurança, não há nenhuma possibilidade de se verificar em quais candidatos um eleitor votou, assegurando o sigilo do voto.

Antes do início da votação, é realizada a impressão de uma listagem de todos os candidatos, chamada de ‘zerésima’, para comprovar a inexistência de votos nas urnas para qualquer candidato.

Quem realiza este procedimento é o presidente da seção eleitoral, mas precisam estar presentes os mesários, que atuarão na seção, e os fiscais de partidos políticos e coligações que participam das eleições. Após a impressão da ‘zerésima’, o presidente da seção, os mesários e esses fiscais devem assiná-la para assim os eleitores começarem a votar.

Ao término da votação, o presidente da seção eleitoral deve digitar uma senha na urna para encerrar a votação. Em seguida, o equipamento emitirá o Boletim de Urna que informará o total de votos recebidos por candidato, partido político, votos brancos, votos nulos, identificação da urna, número da seção e a quantidade de eleitores que votaram nela, porém, não relaciona de qual eleitor o candidato teve votos, já que essa é uma informação confidencial. Assim como a ‘zerésima’, o BU será encaminhado para a junta eleitoral.

Os dados de cada urna eletrônica são codificados em mídias de memória, como flash cards. Após a eleição, essas mídias são transportadas até o local de transmissão na zona eleitoral, onde sua autenticidade será verificada. Somente a partir disso, os dados são transmitidos ao TRE, que os retransmite ao TSE, órgão que tem os equipamentos próprios com as chaves para as diversas camadas de segurança, integrantes do sistema eletrônico de votação. Não é utilizada a internet.

Para as Eleições 2020, o eleitor pode acompanhar a apuração das urnas em tempo real e conferir a totalização do pleito pelos aplicativos “Boletim na Mão” e “Resultados”. Além dos aplicativos, também será possível acompanhar a apuração das eleições pelo Divulgaweb (divulga.tse.jus.br). A divulgação em tempo real possibilitará que emissoras de televisão e de rádio, portais de internet e a imprensa, em geral, entre outras mídias, possam informar à população, a partir do encerramento da votação.

10 de novembro de 2020 - 8:29h