Estudantes potiguares estão preocupados com a suspensão do Sisu e ProUni

Com a liminar de suspensão da divulgação do resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), estudantes potiguares estão aflitos por não conseguirem acessar o site para saber se foram ou não selecionados para o curso que pretendiam.

O cronograma do Sisu programava esta terça-feira (28) para divulgação do resultado. Agora, a data segue sem previsão. A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para anular a decisão, nesta segunda-feira (27), mas até o momento não teve nenhum parecer.

Wagner Santos, de 19 anos, teve problema na nota de matemática, solicitou a correção ao Ministério da Educação (MEC) e não teve retorno. “Ela foi abaixo da média e não pude me inscrever em nenhum curso de universidade que exigia nota mínima. Estou muito prejudicado com essa situação”, comentou.

Aguardando uma decisão final da Justiça, o estudante Anderson Mendes, de 19 anos, diz que está apreensivo com o resultado, pois alegou depender desta informação para decidir seu futuro. “Eu não tenho muito o que fazer nesta situação, pois só o ministro é quem tem alçada para resolver algo. O jeito é esperar. Mas confesso que estou preocupado com tudo isso”, revelou.

Segundo Anderson, que quer cursar Física, os demais alunos da Escola Estadual Professor Josino Macedo, onde estuda, também estão com o mesmo problema.

Procurada, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte disse que, até o presente momento, não recebeu nenhuma notificação do MEC sobre a suspensão do resultado do Sisu. “Estamos com a informação do calendário anteriormente divulgado. Dessa forma, aguardamos comunicado do Ministério sobre a situação. Nosso cronograma de cadastramento permanece mantido, com início nesta quinta-feira (30)”, detalhou a pró-reitora de Graduação da UFRN, Maria das Vitórias de Sá.

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) também não receberam informações do MEC sobre o assunto e, por enquanto, seguem com o calendário de matrículas normalmente.

A incerteza está presente nos projetos de Joyce Varela, que fez o Enem pela terceira vez. Para ela, não saber do resultado a deixa descrente de seus sonhos. “Depositamos meses de nossas vidas para os estudos com o objetivo de viver melhor, realizar projetos pessoais e profissionais. Ser tratada sem compromisso, não me faz acreditar de que eu possa tentar isso”, desabafa.

Fonte: Agora RN

28 de janeiro de 2020 - 17:25h