RN tem maior expectativa de vida das regiões Norte e Nordeste

28-11-19- Natal – Taxa de Expectativa de Vida ftoto/adriano abreu/h/selecionadas

A expectativa de vida ao nascer no Rio Grande do Norte é a maior do Norte-Nordeste: 76,2, uma taxa próxima à média nacional, que foi de 76,3 anos em 2018. No Estado, os homens tinham a taxa de 72,2 anos e as mulheres 80,2 anos. Os números são da Tábua de Mortalidade de 2018, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Especialistas acompanham o aumento da longevidade atrelado à preocupação com a qualidade de vida.

Com relação ao ano passado, o Estado registra um crescimento de três meses na expectativa de vida. De acordo com o chefe da unidade estadual do IBGE-RN, Damião Ernane, o Rio Grande do Norte “acompanha toda essa melhoria nos índices da expectativa de vida. Os estados como um todo acompanham a média Brasil. Em linhas gerais você tem essa melhoria bastante ampliada”, aponta.

“Por ser um Estado pequeno, litoral amplo, pequenas distâncias, as pessoas têm um nível de qualidade melhor, mas isso, em linhas gerais, o IBGE não fez nenhum tipo de pesquisa em relação a especificamente isso. O que a gente tem é que o Estado segue essa tendência de melhoria que ocorreu, da década de 80 para cá, mais especificamente nos últimos 20 anos com a expansão de políticas públicas, seja na área de saúde pública, educação e assistência social”, elenca Ernane.

Já para a geriatra Vanessa Giffoni de Medeiros, especialista em Fisiologia do Exercício Resistido no Envelhecimento e professora da UFRN, uma série de fatores se une para explicar essa taxa de crescimento na expectativa de vida. Entretanto, ela analisa que o importante é “envelhecer bem”, isto é, com a população idosa aumentando de idade e levando a independência e autonomia junto consigo.

“Muitas pessoas que chegam nessa expectativa de vida, hoje, chegam com limitação. Dependendo de filho, de marido, de cuidador. Porque: a medicina conseguiu controlar eventos adversos, como morte por infarto, por câncer, mas essas pessoas envelheceram com doença. E aí naturalmente envelheceram com essas limitações”, aponta.

Fonte: Tribuna do Norte

29 de novembro de 2019 - 9:33h